junho 25, 2013

O Retorno.


Diz a convenção social da rotina que quando alguém (vivo ou morto) não estiver de bem com a “vida” é necessário dar um tempo. Um tempo de pessoas, de manias, de trejeitos. Tempo de dar um “basta” do que você é ou do que tenta ser. Esse “período off-line” não tem tempo máximo de duração. Descobrir o momento certo de emergir é relativo. Sinto que de certa forma ainda não é o momento, ou talvez seja. Não sei como tudo será daqui pra frente, mas me sinto relativamente melhor, pelo menos estou bem com minha própria consciência, e isso significa muito.
Postar um comentário